Editorial: Acorde!

por Alisson Mota


Foto: Jéssika Lima

Não existe nenhuma dúvida sobre o talento e a dedicação das pessoas que fazem música de forma independente em Aracaju. Não importa a estética e o contexto que o trabalho esteja inserido, quase sempre os projetos realizados na cidade têm bastante valor e peculiaridades que devem ser exploradas. Mas nem sempre consegue ser assim. Na verdade, hoje, mesmo que o projeto seja de qualidade, há muita dificuldade em ser ouvido.


Os problemas da cena são muitos. Mas talvez um dos maiores deles seja a falta de informação sobre o que tem sido produzido aqui. É difícil estourar a bolha quando não existe uma infraestrutura que permita a circulação dos trabalhos dentro e fora da cena. Assim, a música alternativa da cidade muitas vezes se restringe ao rolê, ao final de semana.


Os trabalhos nem sempre conseguem cumprir o propósito, daí o desânimo toma conta de quem se atreve a produzir arte de forma independente. E isso não se aplica somente à música, mas ao audiovisual, às artes plásticas e também ao teatro, explicitando a natureza estrutural do problema.

O Acorde é pensado justamente nesse contexto, numa forma quase desesperada de executar o trabalho de levantamento de informações acerca da cena. As bandas e trabalhos musicais autorais de Aracaju, a partir de agora, podem contar com um espaço onde as histórias possam ser contadas, onde as obras possam circular e, principalmente, sejam debatidas e criticadas para ajudar no processo de amadurecimento da cena. O jornalismo do Acorde tem o objetivo central de agregar valor à cena, mostrando que Aracaju não é terra arrasada.


O site abrange resenhas críticas sobre variados trabalhos e artistas do mundo, mas com foco na produção aracajuana. Além disso, traz também o esforço de reportagem, contando a história dos projetos e da cena musical em si. Também há espaço para as “hard news”, mostrando os eventos das bandas autorais, lançamentos e acontecimentos relevantes. O site começa com a ambição de agregar todo esse conteúdo e será sempre aberto a colaborações de quem reconheça as lacunas que devem ser preenchidas na cena aracajuana. Acorde!


Siga no Instagram (@acorde.aju) e no Twitter (@acordeaju)