Lançamentos Novembro/Dezembro 2019

Atualizado: 12 de Fev de 2020

por Alisson Mota


Mesmo o fim de ano sendo tradicionalmente uma época de poucos lançamentos, a produção continua a todo vapor: singles e clipes dominaram o fim de ano.



Isis Broken - Capeta Gasolina


Ainda em novembro, a rapper sergipana lançou o single e o clipe de Capeta Gasolina. A produção possui referências narrativas e estéticas dos filmes da franquia The Purge, num futuro pós-apocalíptico onde é permitido cometer crimes, até homicídios, em momentos determinados pelo governo. Nesse contexto, Isis reúne uma seita para revidar a violência sofrida historicamente pelas travestis e transsexuais.

Importante também frisar que outro clipe de Isis Broken, O Clã, ganhou o prêmio de Melhor Figurino no Music Video Festival, uma das maiores premiações de videoclipes no Brasil. A produção concorreu com gente do quilate de Criolo, demonstrando a importância e a projeção da conquista.



The Baggios - Vulcão (clipe)


A The Baggios lançou o clipe de Vulcão, faixa-título do disco lançado em 2018. O vídeo é um continuação de outro clipe lançado este ano, Bem-Te-Vi. Outra música do disco vai ganhar clipe, Limaia.


Você pode saber mais sobre os clipes, disco e a carreira da banda aqui.



Maeed - Nóis é Maloka


Também no começo de novembro, Maeed lançou single e clipe de uma vez só. Nóis é Maloka é é o terceiro single que o rapper lançou neste ano, depois de Entre Doses e Bom de Briga. O cara é um dos que mais ajudam a movimentar o trap aqui em Sergipe.



neorasta - Dias (clipe)


Ainda nesse rolê do rap, quem também lançou clipe foi neorasta, com a música Dias, lançada ainda em outubro. Com Dias, foram cinco singles lançados pelo rapper e produtor sergipano.



Ordinals - EP Gravidade e Respirar a Cor (clipe)


A Ordinals lançou o EP Gravidade e na esteira já lançou o clipe uma das músicas do trabalho, Respirar a Cor. A novidade é que esse é o primeiro trabalho da banda feito exclusivamente em português. O arranjo de guitarras é, sem dúvidas, um dos pontos altos do trampo. Com influências principalmente do hardcore melódico e do emocore, a Ordinals se apresenta como uma das mais relevantes bandas da vertente no Nordeste.



Héloa - Silêncio (clipe)


A cantora sergipana radicada em São Paulo lançou clipe para Silêncio, composta em parceria com a baiana Luedji Luna. Silêncio dialoga diretamente com a imigração, abordando as diferenças culturais e o fato de estar um lugar que não apresenta o mar, a calma, características do seu local de origem. A canção faz parte de Opará, disco lançado em 2019 e que leva o nome indígena do rio São Francisco. Outra música do disco, Agô, também ganhou clipe neste ano.



Allen Alencar - Esse não é um bom verão para nós e Kabul (clipe)


Outro sergipano radicado em terras paulistas que também lançou trabalhos neste fim de ano foi Allen Alencar. Em novembro lançou o single Kabul, colocando no mundo, na semana seguinte, Esse não é um bom verão pra nós, seu primeiro disco solo. O músico já tem um currículo extenso de colaboração com nomes como Curumin, Fafá de Belém, Criolo e Russo Passapusso e agora coloca sua voz e composições pra jogo.

Esse não é um bom verão pra nós é talvez o disco "mais paulista" de artistas sergipanos. Tem uma atmosfera onírica e parece ser daqueles para se ouvir dentro de um apartamento numa tarde chuvosa. As letras são, em sua maioria, introspectivas, dando a entender que são uma crônicas pessoais de Allen. Ao mesmo tempo, este não é um disco daqueles mais melodramáticos. É melancolia solar. Um dos preferidos da lista.



Felipe Nunes - Mandinga


Mais um sergipano radicado em outras terras é Felipe Nunes, que apresentou em novembro o single Mandinga. A música faz parte do seu primeiro EP, Entropykos, a ser lançado. Há 7 anos no Rio Grande do Norte, o artista assume um trabalho solo depois de participar do Sarau Insurgências Poéticas e sendo parte das bandas Agô e Tríade Rebelde.

A canção transita entre o orgânico e o eletrônico, num som ancestral e antenado, que conta com a produção de Pedras, responsável por trabalhos de bandas do RN como Luísa e os Alquimistas. A concepção da música tem origem na diáspora negra, dialogando com sua cultura e ancestralidade.


Felipe diz: "Mandinga nasce da necessidade de cantar aquilo que alimenta a nossa força para encarar os desafios dessa terra tropical em permanente transe. Mandinga é amuleto, feitiço, proteção. O antigo reino do Mali, também fora conhecido como reino Mandinga. Lá, alguns guerreiros entre travessias e guerras, carregavam apenas seus amuletos para proteção nos combates. A afro-diáspora espalhou a sabedoria dos mandingueiros. A capoeira absorveu. Todo bom capoeirista precisa da “Mandinga” para observar com atenção, agir na hora certa, se esquivar para contra-atacar. Saber cair, para rapidamente levantar. A luta está longe de terminar. O jogo só termina quando acaba de jogar”.



Três Terços - Sergipe Rockstar e Entre o Mainstream e o Underground


Entre novembro e dezembro, o blues-rock da Três Terços apresentou dois novos singles, Sergipe Rockstar e Entre o Mainstream e o Underground. Além de Calango Blues, também lançada neste ano, é interessante observar como as canções da banda são metalinguagem, colocando aspectos, crônicas e dilemas da vida de músico nas composições.



Arthur Matos - Onde as Luzes Não Chegam (feat. Hélio Flanders)


Fechando a série de singles lançados durante todo o ano de 2019, Arthur Matos apresentou em dezembro a música Onde as Luzes Não Chegam, que conta com participação de Hélio Flanders, do Vanguart. Todas as músicas lançadas neste ano comporão o disco Você, que será lançado no início de 2020.



Mestre Madruguinha - Bloco Estaçãozis Unidis da Alegria


Primeiro lançamento de estúdio depois do EP apresentado em 2016, a Mestre Madruguinha apresenta o novo single. Há muito tempo a música já é peça certa nas apresentações da banda, mas agora ganhou as plataformas virtuais, no prenúncio do aguardado disco dos cumbieros. Impossível escrever sobre o single e não ressaltar a voz de Everton Mesquita, que tá segurando a marimba do vocal da banda de forma, no mínimo, classuda.

Recentemente, a banda lançou também o clipe de Cumbia Madrugada, um dos clássicos do primeiro EP.



Alex Sant'anna - Algo Novo e O Peso das Coisas (feat. Jaque Barroso)


Alex Sant'anna começou em novembro a mostrar a cara do seu novo disco, que vai sair no ano que vem. Desde então, apresentou dois singles: Algo Novo, em parceria com o baiano Marco Vilane, e O Peso das Coisas, com participação de Jaque Barroso. Ambas as canções mostram o caminho interessante que Alex tem trilhado na concepção do novo álbum: é ancestral, mas muito longe de ser parado no tempo. Diferente do que ele canta na letra de Algo Novo, Alex mostra que dá pra ter o que é novo sim. Ô se dá.